Relação entre anteversão femoral e achados em quadris com impacto fêmoro-acetabular

O objetivo deste estudo foi investigar a relação entre a versão do colo femoral e achados pré-operatórios e intra-operatórios em quadris com impacto fêmoro-acetabular. Os autores retrospectivamente revisaram dados coletados prospectivamente em 188 pacientes (204 quadris) que foram submetidos a artroscopia de quadril e patologia labial. Versão femoral foi medida na ressonância magnética por um radiologista especialista em imagem músculo-esquelética. O grupo de estudo foi composto de 100 homens e 88 mulheres com uma idade média de 35 anos (variação, 18 a 62 anos). Versão femoral média foi 9° (variação, -10 a 27°). Não foi encontrada relação entre versão femoral e aspectos demográficos (idade, sexo, peso, altura e IMC). Uma correlação significativa foi encontrada entre versão e rotação externa (r=-0.208; p=.027) e rotação interna (r=0.231;p=.002) no exame físico. Pacientes com versão femoral menor que 5° apresentaram rotação externa diminuída (p=.027). Achados intra-operatórios demonstraram que versão femoral maior que 15° foi relacionada a lesões labiais maiores que mediram aproximadamente 38mm, enquanto pacientes com anteversão menor que 5° apresentaram lesões que mediram 30mm, e pacientes com ângulos entre 5 e 15° apresentaram lesões que mediram 34mm (p=.008).Quadris com versão femoral maior que 15° apresentaram 2.2 vezes mais chance de possuir lesões labiais que se estenderam além da posição de 3 horas no relógio; ou seja, lesões labiais mais anteriores. Quadris que necessitaram de uma tenotomia de psoas tiveram maiores ângulos de versão femoral (8° vs 11°;p=.023).

Confira o artigo completo