Midias sociais ortopedia

O Papel das Mídias Sociais na Vida do Ortopedista – Bate Papo sobre Posicionamento Digital com Dr. David Gusmão

Já pensou sobre qual é o papel das mídias digitais na carreira do ortopedista?

Se você utiliza as redes sociais como uma ferramenta de divulgação de seu trabalho, ou mesmo se acompanha nossos podcasts, já ouviu falar da importância de uma boa relação do ortopedista com seu paciente.

Quando se fala desse tema, são comuns reclamações como “isso não é pra mim”, “ortopedista não precisa disso“– e, em geral, acabam não entrando no meio digital.

Contudo, o mundo digital não é um vilão e nem deseja prejudicar sua prática médica ou diminuir seu volume de pacientes.

Pelo contrário, na prática, seu objetivo é manter uma comunicação com o paciente também no meio digital, de modo a potencializar os resultados na captação e manutenção de seus pacientes. Afinal, quanto melhor seu vínculo com seu paciente, maior a probabilidade de que ele lhe procure novamente, o que se traduz em uma maior receita para seu consultório.

Para isso, em nosso 30º episódio contamos com a presença de um especialista nos dois assuntos, Dr. David Gusmão, que abordou desde o básico sobre mídias digitais e como utilizá-las para otimizar sua comunicação com seus pacientes através do mundo digital, além disso, nos contou também sobre estratégias para obter maior resultado de crescimento através das redes sociais.

Portanto, se você deseja entender de forma clara como funciona a ortopedia no meio digital, se está afim de produzir conteúdos cada vez mais assertivos para seus pacientes e se tem dúvidas sobre o assunto, não deixe de escutar nosso 30° episódio!

 

protese quadril 3d

Prótese de quadril customizada por impressão 3D

O Dr Leandro publicou um artigo sobre a utilização de prótese de quadril customizada por impressão 3D. Este artigo foi publicado em conjunto com o Dr Andre Ferrari de França Camargo, especialista em tumores ortopédicos.

Neste caso, uma paciente foi diagnosticada com um raro tumor (osteossarcoma) no acetábulo (região da bacia). Para tratar o tumor é necessário retirar uma grande parte da bacia, aonde a cabeça do fêmur encaixa. Habitualmente não teríamos como reconstruir o quadril da paciente, e deixaríamos o fêmur sem encaixe. A paciente ficaria com o membro encurtado e a função muito prejudicada.

Com o uso da tecnologia 3D, foi possível planejar exatemente como realizaríamos os cortes no osso. Por meio deste planejamento, confeccionamos guias cirúrgicos que também foram impressos em 3D. Uma prótese de quadril customizada foi planejada e impressa em titânio. Desta maneira, a prótese encaixa exatamente na bacia da paciente. Felizmente a paciente está bem, e feliz com o procedimento.

Neste link, você pode ler o texto completo do artigo. E neste vídeo do YouTube, você pode ver mais detalhes da prótese de quadril customizada por impressão 3D.

Para agendar uma consulta com o Dr Leandro, clique neste link.

Ortopedia Impressão 3d

Ortopedia e impressão 3D: utilizações e exemplos práticos

Ortopedia e Impressão 3D

A impressão 3D vem revolucionando diversos setores, e a medicina não seria diferente. A ortopedia é uma das áreas mais impactadas, com diversas aplicações possíveis: desde planejamento de cirurgias até próteses impressas conforme a necessidade do paciente.

Acabamos de publicar um artigo científico numa revista internacional sobre este tema tão interessante. Nele descrevemos mais detalhes sobre o que é e como funciona a impressão 3D. Também falamos sobre as aplicações na ortopedia, com exemplos práticos de como esta tecnologia é utilizada.

Obrigado aos amigos/co-autores André Ferrari, Bruno Gobbato e Eduardo Zancul . Agradeço também aos amigos/editores Sara Goldchmit e Marcelo Queiroz pela oportunidade.

Se interessou? Leia o artigo, está disponível no link abaixo. Espero que gostem e aprendam sobre a ortopedia e impressão 3D.

Link para o artigo

Para agendar consulta com o Dr Leandro Ejnisman, clique neste link.

Impacto femoroacetabular

Impacto femoroacetabular: o que é, como diagnosticar e como tratar?

Impacto femoroacetabular é uma das principais causas de dor no quadril do paciente jovem. No impacto do quadril, há algumas alterações sutis da anatomia da articulação que causam uma lesão do lábio acetabular. Esta lesão do lábio acetabular pode progredir para artrose (desgaste) da articulação.

Publicamos recentemente na Revista Brasileira de Ortopedia uma série de 3 artigos sobre o tema. Este foi um trabalho conjunto do Grupo de Quadril do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (IOT-HCFMUSP) e do Grupo de Quadril da Santa Casa.

Neste artigo de revisão discutimos todos os aspectos do impacto do quadril, desde a fisiopatologia e biomecânica da doença, passando pelo diagnóstico clínico e radiológico, e terminando com o tratamento.

Links para baixar os textos:

Impacto femoroacetabular parte 1

Impacto femoroacetabular parte 2

Impacto femoroacetabular parte 3

Para agendar sua consulta com o Dr Leandro clique nesse link.

COVID-19 e as cirurgias ortopédicas

A COVID-19  alterou muito a rotina das cirurgias ortopédicas. A pandemia que infelizmente continua, e está no momento numa segunda onda no Brasil, gerou no começo do ano a suspensão de todas cirurgias consideradas eletivas, ou seja; que não são cirurgias urgentes.

Porém, nem todas cirurgias eletivas são iguais. Algumas lesões ortopédicas, apesar de não serem urgentes; podem apresentar piores resultados caso demorem para ser realizadas. Neste artigo, liderado pela amiga ortopedista Betina Hinckel, discutimos sobre diversos procedimentos ortopédicos e seu grau de urgência. Também discutimos sobre como encarar este procedimento frente a diferentes momentos de gravidade da pandemia da COVID-19. O artigo está disponível em pdf neste link.

Fico feliz em ajudar, mesmo que pouco; neste momento tão difícil que a humanidade está passando. Não esqueça de se cuidar, usar máscaras e manter o isolamento social.

lesão do psoas

Tratamento de lesão do psoas num atleta profissional sem cirurgia

Este artigo sobre o tratamento de uma lesão do psoas num atleta profissional de futebol foi escrito pelo Dr Leandro em conjunto com o Dr Marc Safran de Stanford e com a equipe médica do Clube Palmeiras. Ele foi publicado na revista Journal of Bone and Joint Surgery, importante publicação científica da ortopedia.

Resumo

Caso: Um atleta masculino de 36 anos sofreu uma lesão aguda do quadril esquerdo durante um jogo de campeonato enquanto defendia o gol. O exame de ressonância magnética demonstrou uma lesão com avulsão completa do tendão do iliopsoas do trocânter menor. O paciente foi tratado de maneira não-cirúrgica por meio da fisioterapia, e após 10 semanas, estava apto a retornar a atividade completa. Após um seguimento de 1 ano, o paciente estava completamente assintomático, e ainda estava jogando futebol profissional sem deficit de força de flexão do quadril.

Conclusão: Neste atleta profissional de futebol, o tratamento não operatório de uma lesão completa do psoas resultou num bom resultado clínico e funcional, e um retorno ao esporte com sucesso.

PDF do Artigo

lesão do psoas

 

Valor prognóstico das culturas de tecido na prótese primária de quadril

Novo artigo científico publicado na revista “Hip International”. Este artigo foi decorrente da tese de mestrado do Dr. Fernando Ferro.

Resumo

Contexto: O risco de infecção após uma prótese total de quadril é pequeno porém não desprezível. A presença de infecção impacta negativamente na qualidade de vida e possui altos custos. Bactérias podem contaminar o sítio cirúrgico apesar de técnicas de antissepsia. Entretanto, há debate sobre os benefícios de identificar agentes durante o procedimento primário. Apesar de que o hábito de coletar múltiplas culturas durante a revisão de prótese de quadril seja uma prática estabelecida, esta prática nos casos primários permanece controversa. Nosso objetivo foi investigar se há valor prognóstico na cultura de amostras durante a prótese primária de quadril, buscando uma correlação entre a positividade das culturas e a presença de infecção pós-operatória.

Métodos: Amostras profundas de tecido (cápsula, osso femoral e acetabular) foram coletadas de 426 pacientes submetidos a prótese total de quadril primária eletiva. O seguimento mínimo foi de 3 anos. O perfil microbiológico das culturas foi avaliado. Os dados dos pacientes foram avaliados para identificar possíveis fatores associados a risco aumentado de infecção pós-operatória

Resultados: 54 cirurgias (12,6%) tiveram culturas positivas. 16 casos (3,8%) desenvolveram infecção, dos quais 5 apresentaram cultura positiva na cirurgia inicial. As taxas de infecção foram 9,3% nos pacientes com cultura positiva e 3% naqueles com cultura negativa (p<0,05), resultando num odds ratio de 3,34 (95% IC, 1.09 – 10.24). Pacientes submetidos a cirurgias prévias no quadril apresentaram uma taxa de infecção de 8,5%, comparado a 2,9% em pacientes sem cirurgia prévia (p<0,05).

Conclusões: A coleta rotineira de amostras microbiológicas na prótese primária de quadril não é justificada, visto que ela não muda a decisão clínica da maioria dos pacientes. Ela pode ser recomendada em casos selecionados em que há suspeita de um risco aumentado de infecção, especialmente em pacientes que já foram operados previamente (prótese de conversão).

Link para o pdf do artigo

Contribuições da cápsula e do lábio acetabular para a mecânica do quadril no contexto da frouxidão ligamentar

Este artigo foi publicado recentemente na revista “The Orthopaedic Journal of Sports Medicine”. Ele é parte da pesquisa que realizei em Stanford durante meu pós-doutorado sobre a microinstabilidade (frouxidão ligamentar) do quadril.

Contexto: A micro-instabilidade do quadril e a patologia labial são condições comumente tratadas, e a pesquisa nesta área vem crescendo muito. Ainda há limitação no nosso entendimento sobre os efeitos biomecânicos dos efeitos da cápsula do quadril e do lábio acetabular no controle do movimento da cabeça femoral

Objetivo: O  propósito deste estudo foi determinar o papel relativo da cápsula anterior do quadril e da insuficiência labial na micro-instabilidade anterior do quadril. Nossa hipótese era: (1) lesões labiais terão mínimo efeito no movimento da cabeça femoral no estado de cápsula intacta, e (2) a cápsula e o lábio trabalham de maneira sinérgica no controle da estabilidade do quadril

Desenho do estudo: Estudo controlado de laboratório

Métodos: 12 quadris pareados de 6 pelvis cadavéricas (idade 18-41 anos) foram incluídos no estudo. Os quadris foram dissecados de todas suas partes moles com exceção da cápsula do quadril e lábio. Foram então alinhados, cortados e colocados num aparelho customizado. Um sistema de teste de materiais foi usado para alongar ciclicamente a cápsula anterior do quadril em extensão e rotação externa, seguindo o eixo mecânico do quadril. A insuficiência labial foi criada com um lesão radial do labrum, combinada com uma separação condro-labial. Um sistema de análise de movimento foi utilizado para gravar a rotação interna e externa do quadril e o deslocamento da cabeça femoral em relação ao acetábulo nas direções, anterior-posterior, medial-lateral, e superior-inferior. Variáveis de teste incluíram a basal, pós ventilação, pós alongamento da cápsula, e pós insuficiência labral.

Resultados: Ao comparar o estado ventilado com cada estado patológico, aumentos no movimento da cabeça femoral foram notados tanto no estado de frouxidão ligamentar quanto no estado de insuficiência labial. O estado combinado de insuficiência labial e frouxidão ligamentar produziu um aumento estatisticamente significativo (P<.001) na translação da cabeça femoral em comparação com o estado ventilado em todos planos de movimento.

Conclusão: Tanto a cápsula anterior quanto o lábio apresentam um papel na estabilidade do quadril. Neste estudo, a cápsula anterior do quadril foi o estabilizador primário da translação da cabeça femoral, mas lesões labiais no contexto de frouxidão ligamentar resultaram nos maiores aumentos do deslocamento da cabeça femoral

Relevância clínica: Este estudo proporciona uma avaliação biomecânica fisiológica dos restritores do quadril no contexto da microinstabilidade do quadril. Ele também avalia a importância da cápsula do quadril no manejo da lesão do labrum acetabular. Nosso estudo demonstra que lesões labrais isoladas causam mínima mudança no deslocamento da cabeça femoral, mas no contexto de uma cápsula deficiente, aumentos significativos na translação da cabeça femoral são visualizados, que podem resultar em sintomas relacionados à articulação.

Link para pdf do artigo

O papel da cápsula do quadril na microinstabilidade

Artigo científico publicado na revista científica American Journal of Sports Medicine durante meu pós doutorado em Stanford

Resumo

Contexto: A microinstabilidade do quadril é uma causa cada vez mais reconhecida de dor no quadril e impotência funcional. Apesar da entidade clínica ter sido bem descrita, a patomecânica desta doença permanece pouco compreendida.

Hipótese: O objetivo deste estudo foi determinar o papel da frouxidão ligamentar na microinstabilidade atraumática do quadril. Nossa hipótese foi que o alongamento cíclico do ligamento anterior do quadril resultaria num aumento da amplitude de movimento do quadril e deslocamento da cabeça femoral.

Design do estudo: Estudo de laboratório controlado.

Métodos: Neste estudo, 7 quadris apresentaram os critérios de inclusão (idade, 18-46 anos). Os espécimes foram dissecados de suas partes moles, alinhados, cortados, e preparados num aparato especial. Um sistema de teste de materiais foi usado para alongar ciclicamente a cápsula anterior do quadril em extensão e rotação externa enquanto rodava o quadril no eixo mecânico. Um sistema de análise de movimento foi utilizado para avaliar a rotação do quadril e deslocamento da cabeça femoral em relação ao acetábulo nas direções ântero-posterior, medial-lateral, e  superior-inferior. O teste foi realizado em condições basais, após ventilar a articulação, e depois de alongamento da cápsula.

Resultados: Com  quadril em alinhamento neutro, o alongamento cíclico da cápsula anterior do quadril resultou num aumento da rotação do quadril (P<.001). O deslocamento da cabeça femoral aumentou significativamente em relação ao estado “ventilado” nos planos medial-lateral (P<.001), ânterior-posterior (P=.013), e superior-inferior (P=.036) após alongamento cíclico da cápsula anterior do quadril.

Conclusão: A cápsula anterior do quadril tem um papel importante no controle da rotação do quadril e no deslocamento da cabeça femoral. Este estudo é o primeiro a demonstrar um aumento significativo no deslocamento da cabeça femoral após alongamento cíclico da cápsula anterior do quadril.

Relevância clínica: Este estudo é diretamente aplicado ao tratamento da microinstabilidade atraumática do quadril. Estes resultados definem a importância quantitativa da cápsula do quadril no controle do movimento da cabeça femoral. Isto permite um melhor atendimento do processo patofisiológico da microinstabilidade do quadril e serve como uma plataforma para desenvolver técnicas cirúrgicas efetivas para o tratamento desta doença.

Link para pdf do estudo

Capítulo sobre Osteotomia Periacetabular

Recentemente foi publicado o livro Ortopedia do Adulto, editado pelo Professor Tarcísio Eloy Pessoa de Barros Filho. Escrevi neste livro um capítulo sobre a Osteotomia Periacetabular, juntamente com os colegas Helder de Souza Miyahara e Itiro Suzuki.

A osteotomia periacetabular é utilizada no tratamento da displasia do quadril do adulto. A displasia é uma causa importante de dor no quadril. Na displasia a cabeça do fêmur é “menos encaixada” no acetábulo (região da bacia onde o fêmur se acopla). A displasia causa lesão do lábio (também conhecido como labrum) acetabular, o que causa dor e pode inclusive evoluir para osteoartrose (desgaste) do quadril.

A osteotomia periacetabular é realizada através de cortes no osso da bacia. Após a realização destes cortes, o acetábulo é colocado em uma nova posição; onde uma melhor cobertura da cabeça do fêmur é obtida. Visitei 2 serviços internacionais com objetivo de aprender melhor esta osteotomia. Em 2010 visitei a Universidade de Bern na Suiça chefiada pelo Prof.Klaus Siebenrock; e em 2018 visitei a Universidade de Utah onde acompanhei o Dr. Chris Peters. Ambas oportunidades foram essenciais para meu aprendizado nesta técnica complexa.

Aqui disponibilizo o capítulo de livro.

Capítulo Osteomia Periacetabular Displasia Quadril